<
CORREDOR
LUIS MAFFEI
POESIA
N.º 35
<
>

Não é que eu não acredite em Deus
Eu acredito em ti no que em ti vejo
no que vejo enquanto o corredor faz-se pequeno e
pequenos são meus olhos rumo a ti
mas não te rumas
pequeno o facho nenhuma a reza onde através na qual
te achasse em rosa e vala
Cruzo-te e sorrio ao ver-te rir sem frêmito se passo
e penso que não é não crer em Deus como tu crês
é crer em Deus como outras coisas
como o corredor que sou enquanto ando ou quando mesmo
corro em crer no ar no pneuma na respiração fecunda que
de ti
não ouço ouvirei nunca
eu acho
Deus talvez mas talvez nós mas isso aquilo que inexiste (rezar sobre
tua saia em falta ao longe a
seta que é só sombra sendo nada e
nada fosse?)
Não deixo de ter Deus em conta crida mas quero crer na pele que
já creio pontilhada de outras coisas
corro assim no corredor onde sorris e tenho o pneuma entre o teu corpo
não o de Deus
e o meu anátema sem culpa
(o que é anátema Natal presépio falta?)
e o meu volante
tudo aquilo que era teu se teu quisesses

 
Relâmpago n.º 35
<
>