<

C A N Ç Ã OO D EO L A G A

 

Era em Laga, setembro e as suas águas
ardiam na nossa boca. Passou
tanto tempo que para morrer
só me faltou voltar àquela praia.
Tu tinhas vinte anos, roías
as unhas, sujavas a camisa
com o molho das ameijoas, eu pouco
mais tinha, nenhum de nós sabia
como é monstruoso amar assim
com os dias contados pelos dedos.
Hoje o verão entrou de rompante
pela casa dentro, vinha do mar,
trazia a luz molhada do teu corpo,
o difícil amor que dói ainda.



7.5.95|6.1.97

Eugénio de Andrade
<
>
 
 

Relâmpago nº1

<
>